terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

VACINAÇÃO – A vacinação deve ser entendida como um direito e um dever dos cidadãos

A vacinação é o método utilizado para ajudar o nosso organismo a adquirir protecção imunológica contra determinadas doenças infecciosas graves.




As vacinas actuam no nosso corpo estimulando o organismo a produzir anticorpos, aumentando a resistência do indivíduo contra infecções.
A vacinação deve ser entendida como um direito e um dever dos cidadãos, participando activamente na decisão de se vacinarem com a consciência que estão a defender a sua saúde, a Saúde Pública e a praticar um ato de cidadania.
Quem não se vacina não coloca apenas a própria saúde em risco, mas também a de seus familiares e outras pessoas com quem tem contacto, além de contribuir para aumentar a circulação de doenças. Ser vacinado é a melhor maneira de se proteger de uma variedade de doenças graves e das suas complicações, que podem até levar à morte.
As maiorias das doenças que podem ser prevenidas por vacina são transmitidas pelo contacto com objectos contaminados ou quando o doente espirra, tosse ou fala, pois ele expele pequenas gotículas que contêm os agentes infecciosos. Assim, se um indivíduo é infectado, pode transmitir a doença para outros que também não foram imunizados.
Graças à vacinação, houve uma queda drástica na incidência de doenças que costumavam matar milhares de pessoas todos os anos até a metade do século passado – como sarampo, poliomielite e rubéola. Mas, mesmo estando sob controlo hoje em dia, elas podem rapidamente voltar a se tornar uma epidemia caso as pessoas parem de se vacinar.
Em Portugal, Programa Nacional de Vacinação (PNV) foi criado em 1965 e é um programa nacional, gratuito e acessível a todas as pessoas.
A primeira vacina foi a da poliomielite, seguida em 1966 pelas do tétano, da difteria, da tosse convulsa e da varíola, notando-se nos anos seguintes uma notável redução da mortalidade e morbilidade pelas doenças infecciosas alvo de vacinação.
Em relação ao tétano, esta doença apresentava uma mortalidade muito elevada durante as décadas de 50 e 60 do século XX (quase 4000 mortos). Este número baixou drasticamente após a introdução da vacina no nosso país (em 2006 o tétano matou 33 pessoas e 15 em 2015). Mas apesar desta evidência, muitas pessoas não mantêm a sua vacina em dia e colocam-se em risco diariamente.
O tétano é uma doença grave, com uma taxa de mortalidade próxima dos 30%, causada pela toxina de uma bactéria “ Clostridim tetani”, que entra no organismo por lesões na pele – como cortes, arranhões mordidas ou picadas de animais, feitos por um objecto contaminado.
A bactéria encontra-se no solo, no pó, no estrume e é mais frequente em climas quentes e húmidos, onde o solo contenha maior quantidade de matéria orgânica.
Uma vez dentro da pele a bactéria multiplica-se e produz uma toxina, ou veneno, que afita os nervos do organismo.
A toxina do tétano produz espasmos musculares graves, cãibras e convulsões. O espasmo da mandíbula causa trismo (situação em que a pessoa não consegue abrir a boca), afita também, os nervos da garganta, do tórax, do abdómen e dos membros.
Por fim, os efeitos da toxina, a nível dos músculos respiratórios vai interferir com a respiração e o doente pode morrer sufocado.
A principal forma de prevenção do tétano é através da administração da vacina.
Esta vacina actua no corpo e estimula o nosso organismo a produzir anticorpos contra a doença, e protege o indivíduo contra a doença.
Assim apelamos a população de Arronches para a importância da vacinação ao longo da vida, desde o nascimento e até à idade mais avançada.
O Programa Nacional de Vacinação é o programa de saúde mais antigo em Portugal e o que demonstrou melhor benefício para as pessoas e para a sociedade em geral.
Verifique o seu Boletim Individual de Saúde (também conhecido por Boletim de Vacinas) e se não estiver actualizado dirija-se ao Centro de Saúde, fale com a sua enfermeira de família para agendar e/ou proceder à vacinação.
A vacinação é gratuita e eficaz. A vacinação permite salvar mais vidas e prevenir mais casos de doença do que qualquer tratamento médico. E avise os seus familiares e amigos!

0 comentários: