quinta-feira, 3 de novembro de 2016

MONFORTE – Município reforça auxilio a idosos

O Município de Monforte foi um dos seis escolhidos para integrar um projecto-piloto lançado pela Associação Dignitude, uma instituição particular de solidariedade social, que nasceu da parceria entre o setor social (Cáritas Portuguesa e Plataforma Saúde em Diálogo) e o setor da saúde (Associação Nacional das Farmácias e Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica) e que é responsável pelo desenvolvimento, operacionalização e gestão do “Programa abem - Rede Solidária do Medicamento”, o primeiro programa solidário dinamizado por essa instituição.
Este Programa tem por objetivo garantir o acesso ao medicamento por parte de qualquer cidadão que, em Portugal, se encontre numa situação de carência económica que o impossibilite de adquirir os medicamentos comparticipados que lhe sejam prescritos por receita médica.
O “abem” resulta de várias parcerias instituídas com entidades a nível local, designadamente autarquias, IPSS’s e outras instituições com intervenção na área social e que tornaram possível constituir um fundo solidário que irá permitir a esses cidadãos carenciados, referenciados pelas entidades locais, o acesso a toda a terapêutica comparticipada que lhes for prescrita. Para tal, basta apresentar na farmácia o “Cartão abem”.
O Município de Monforte surge, pois, como uma entidade que muito poderá contribuir para o desenvolvimento do Programa, concretamente através da disponibilização da sua capacidade agregadora, de envolvimento e de dinamização da sociedade civil e do tecido empresarial para prossecução dos objectivos do Programa abem: Rede Solidária do Medicamento e bem assim, em especial, através das suas competências e experiência na referenciação de indivíduos socialmente vulneráveis cuja situação seja enquadrável no Programa abem: Rede Solidária do Medicamento.
“Portanto, sendo o “abem” um projecto que se pretende agregador de tantos outros já existentes no terreno”, conforme explicou Gonçalo Lagem, o edil monfortense, “a preferência que recaiu sobre o nosso Município adveio do conhecimento que os dirigentes da Dignitude tiveram acerca das medidas que estamos a implementar e que estão abrangidas pela aplicação da iniciativa «Cartão Municipal do Idoso», através da qual, entre outras ações, temos dedicado especial empenho a apoiar os idosos mais carenciados economicamente, comparticipando a compra de medicamentos”.
Aprovada por unanimidade em reunião da Câmara Municipal de 7 de Setembro último, a proposta para celebração de um protocolo entre a autarquia e a Dignitude foi entretanto formalizada, permitindo, então, avançar de imediato com a fase seguinte que, de acordo com o estabelecido no documento, consistiu na referenciação dos portadores do Cartão Municipal do Idoso que cumprissem os requisitos exigidos para beneficiar igualmente dos apoios concedidos pela Rede Solidária do Medicamento. Concluída essa fase, o Presidente da Câmara Municipal e a responsável pelo Serviço Municipal de Acção Social, Ana Paula Maçôas, deslocaram-se às quatro freguesias do Concelho onde se reuniram com beneficiários do Programa para lhes entregar o respectivo “Cartão abem” e, em Monforte, deslocaram-se à Farmácia Jardim, acompanhados por um grupo de beneficiários, para estrear o sistema.
Esses encontros ficaram marcados pelo sentimento generalizado de enorme emoção e ouviram-se repetidamente palavras de gratidão e desabafos de quem confirmou que não aviava os medicamentos por falta de dinheiro.
Refira-se que, de acordo com informação veiculada pela Associação Dignitude, quase 23% dos portugueses não compram os medicamentos que lhes são prescritos por dificuldades económicas, todos os dias há cidadãos que pedem ao farmacêutico para lhes dizer qual o medicamento prioritário porque não têm dinheiro para cumprir toda a prescrição e há doentes crónicos que não cumprem a terapêutica prescrita pelo médico por razões meramente económicas.
Numa das suas intervenções, o autarca monfortense recordou o que tinha afirmado recentemente por ocasião das celebrações do Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza, que se assinalou no passado dia 17 de Outubro, quando declarou que “em concelhos como o nosso, e porque todos nos conhecemos, torna-se mais simples sinalizar situações que requerem a intervenção de entidades competentes e perante as quais os actos de solidariedade social podem contribuir igualmente para erradicar muitos dos problemas associados a esses casos de pobreza. A erradicação da pobreza é uma responsabilidade que está nas mãos de todos nós e porque, enquanto autarca, sei que as minhas responsabilidades são acrescidas, lutarei para que, no nosso concelho, ninguém seja obrigado a dormir num banco de jardim. Muito menos um idoso”.




0 comentários: